1. De acordo com a Diretiva de Qualificação da UE, a MGF não é uma experiência única, mas uma forma contínua de dano, o que significa que uma menina ou mulher podem experimentar ou estar em risco de MGF mais de uma vez em suas vidas.
 
2. Nos países onde as leis foram promulgadas proibindo a MGF, as mulheres e meninas não têm medo de perseguição, porque o procedimento é criminalizado.
 
3. No caso de pedidos baseados no género, em que os abusos discriminatórios podem ser perpetuados por agentes estatais e não-estatais, o estatuto de refugiado deve ser concedido, não só por razões de perseguição, mas também por ausência ou falha no processo de proteção.
 
4. As diretivas da UE não exigem que existam nos centros de acolhimento processos que tenham em conta as questões de género, as necessidades de género e específicas da idade, e a situação de vulnerabilidade das pessoas ​​acolhidas.
 
5. Durante o período de acolhimento, às mulheres requerentes de asilo deve ser fornecido/a: